28 de fev de 2015

Os 18 Esqueletos Gigantes de Wisconsin - Alguém quer ter uma idéia de como eram os Anunnaki?

Nenhum comentário:
Alguém quer ter uma idéia de como eram os Anunnaki? Essa é a imagem que acredito ser de um deles:
Os 18 Esqueletos Gigantes de Wisconsin
Em maio de 1912, Wisconsin, Estados Unidos, os irmãos Peterson encontraram 18 grandes esqueletos próximo ao Lago Farm lawn, sudoeste do Estado. O tamanho dos esqueletos variava de 2,10 m. a 2,70 m., muito mais altos que os nativos americanos normais.
As escavações foram supervisionadas pelo Beloit College que incluíram 200 túmulos da cultura Woodland. Os esqueletos tinham crânios alongados, e segundo a análise científica da época, o formato da mandíbula era longa e pontuda, tinha grande semelhança com a dos símios. As órbitas eram relativamente maiores em relação ao crânio do de um ser humano comum e ossos nasais se projetavam bem acima na face.
A edição do The New York Times de 04 de maio de 1912 publicou a notícia,
O mais misterioso é que os jornais locais em Wisconsin noticiaram casos semelhantes, desde 1851! Umas das escavações em 1891 foi comandada pelo Instituto Smithsonian, que além de esqueletos gigantes, encontraram grandes estruturas em forma piramidal. Lembrando que o tal instituto possui um enorme museu de história natural em Washington e são acusados de esconder a sete chaves descobertas arqueológicas que contradizem o status quo ou a teoria da evolução de Darwin.

Van Ted.
História-Proibida

O Povo de Israel não são os Israelitas da bíblia

Nenhum comentário:
Quem são os verdadeiros israelitas? Quem são os Judeus? Quem são os Edomitas, os Amalequitas e os Gentios?
Há dois mil anos atrás, no nordeste africano, em um país chamado Yisrael, viveu um povo conhecido pelo mesmo nome. Este povo era o povo israelita, o mesmo povo mencionado na bíblia.
O povo israelita era composto de 12 tribos e nenhum dos povos destas tribos foi chamado em nenhum momento de “judeu”. O quarto filho de ya’acov (jacó) se chamava yahudah (judá) e seus descendentes eram chamados de Yahudim. Em português, a palavra correspondente a Yahudim é Judaítas, e não Judeus.
Os povos antigos nunca viram israelitas brancos, nunca chamaram os israelitas de judeus e nunca conheceram um povo chamado Judeu. O povo que hoje é conhecido como judeu, era chamado de edomita porque são descendentes de Esav / Edom.
Há 3 categorias de judeus:
1) Edomitas / Sephardim (Sefarditas) – Eram descendentes de Edom / Esav (Esaú), que foram os primeiros judeus, os judeus orientais que invadiram Shomerom (Samaria);
2) Amalequitas – Eram descendentes de Amalek, que era neto de Edom. Estes são os banqueiros de hoje, aqueles que além de comandarem a mídia universal, incluindo a TV e a Imprensa, o sistema político e religioso, o sistema de educação, de alimentação, de saúde, a indústria da guerra, da música e do cinema, dominam também toda a economia mundial. Entre eles estão a família Rothschild, a família Rockefeller, a família Real Britânica e os participantes do Bilderberg Group ou Clube de Bilderberg. As pessoas mais ricas, influentes e poderosas do mundo, atualmente;
3) Ashkenazim – descendentes de Yaphet (Jafé) por parte de seu filho Togarma (gênesis 10:2-5), que é o patriarca dos turcos, mas se autodenominam Asquenazi porque Yirmeyahu (Jeremias) profetizou que Asquenaz e seus aliados conquistariam a Babilônia (Jeremias 51:27), portanto, os Ashkenazim são europeus, ou seja, SÃO GENTIOS e a única relação que eles têm com os hebreus é que se misturaram com os edomitas (descendentes de Esaú / Edom), mas não são descendentes de Ya’aqov (Jacó), então, NÃO SÃO ISRAELITAS.
Nenhum dos conhecidos como judeus hoje em dia são os israelitas ou povo de Israel mencionados na bíblia.

Pensando e refletindo sobre NAZISMO
1) Alguém ouviu falar de algum membro das famílias Rothschild, a Rockefeller ou da família Real Britânica que tenha sido morto nos campos de concentração nazista.
2) Que tipo de judeus foram mortos nos campos de concentração nazista? Os judeus do primeiro grupo, do segundo grupo ou do terceiro grupo?
3) Os judeus perseguidos e mortos no nazismo eram judeus? Se a resposta for não, pense. Quem morreu realmente nos campos de concentração nazista e quem foram as pessoas perseguidas? Judeus ou gentios
4) Quem são os gentios e o que a bíblia fala sobre os gentios (Não considerar Paulo que nem apóstolo foi, mas as próprias palavras de deus e de Jesus).
O que aconteceu com os verdadeiros israelitas? Pra quem estudou realmente a bíblia fica fácil descobrir, analisando a sua aparência, dada pela própria bíblia:
“Não me sois, vós, ó filhos de Israel, como os filhos dos etíopes? diz o Senhor: Não fiz eu subir a Israel da terra do Egito, e aos filisteus de Caftor, e aos sírios de Quir?” Amós 9:7
“Porque eu sou o Senhor teu Deus, o Santo de Israel, o teu Salvador; dei o Egito por teu resgate, a Etiópia e a Seba em teu lugar.” Isaías 43:3
Os verdadeiros israelitas ERAM NEGROS e segundo algumas fontes foram capturados e trazidos para o ocidente, como escravos, em navios negreiros, durante o tráfico transatlântico e, quando chegaram aqui, seus nomes originais hebraicos foram substituídos por nomes ocidentais, cristãos ou judeus, e foram proibidos de manter sua crença. Os negros americanos estão investigando e tentando descobrir as suas origens, de onde vieram e os motivos pelos quais foram escravisados. Se são eles os reais israelitas não é importante. O fato é que os verdadeiros israelitas ERAM NEGROS e tinham uma aparência totalmente diferente dos chamados judeus. Só pelo fato de estarem questionando e procurando conhecer a si mesmos já merecem o meu respeito.
Em 2004, Jesus foi eleito o maior ícone negro de todos os tempos, pelo jornal New Nation, o que levou a um debate sobre a cor de sua pele.
“Apesar de as representações comuns, nas culturas ocidentais, do jesus loiro, de olhos azuis e visual hippie, todas as evidências apontam para o fato de que jesus não poderia ter sido de extração escandinava e certamente era um irmão de cor”, disse o jornal.
Por Ana Burke
Fontes:

A fraude do "SANTO SUDÁRIO"

Nenhum comentário:
Cientista confessa fraude contra Santo Sudário

Há alguns anos, o sagrado tecido que envolveu o Corpo de Nosso Senhor Jesus Cristo na Sexta-feira Santa foi submetido à chamada prova do Carbono 14.

Como se sabe, a Igreja não opôs qualquer dificuldade para que o Santo Sudário fosse submetido à dita prova. Assim, foram escolhidos três centros diferentes de estudos: Arizona, Zurich e Oxford, e os três concluíram que se tratava de um tecido que dataria dos séculos XI a XV.
A "descoberta", que foi publicada com muito espalhafato pelos meios de comunicação do mundo inteiro, desencadeou uma série de ataques contra o Santo Sudário e contra a própria Igreja Católica, acusada de "venerar uma relíquia falsa". Isto não impediu que tais resultados fossem abertamente criticados por outros cientistas.
No final do ano passado, Michael Tito, coordenador de tais exames "científicos" e diretor do Museu Britânico, reconheceu em carta dirigida ao professor Luigi Gonella, consultor técnico do Arcebispado de Turim (Itália), que o Carbono 14 não oferece prova alguma a favor de sua tese e confessa que "houve intenção deliberada de enganar o público".
A notícia acima foi publicada no Boletim da Agência Informativa Católica Argentina, nº 2084, de 27 de novembro de 1996, pp. 335-336. Aguardamos um certo período antes de reproduzi-la em nossas páginas, a fim de verificar:
1º) se não teria havido qualquer equívoco por parte do referido órgão platino, sendo, por sua vez, objeto de algum desmentido;
2º) se a mesma mídia -- tão empenhada em "esclarecer" a opinião pública quanto aos supostos resultados do Carbono 14 -- mostraria semelhante empenho, segundo o consagrado princípio da imparcialidade jornalística, em divulgar a confissão do diretor do Museu britânico. Infelizmente, não nos consta que tenha sido dada, nem de longe, proporcional publicidade à retratação de Michael Tito. Por que estes dois pesos e duas medidas?

Ataque Psíquico: Aprenda a se defender

Nenhum comentário:
Somos alvos constante de ataques psíquicos de pessoas ao nosso redor. Nem sempre essas pessoas estão nos atacando conscientemente, na maioria das vezes elas drenam nossas energias sem …


Somos alvos constante de ataques psíquicos de pessoas ao nosso redor. Nem sempre essas pessoas estão nos atacando conscientemente, na maioria das vezes elas drenam nossas energias sem perceber, apenas por conta de suas atitudes. Algumas vezes elas nos atacam psiquicamente de maneira consciente, seja com raiva, rancor ou inveja.

Todos nós estamos compartilhando energia de nossas auras o tempo inteiro, através de acoplamento áurico. Isto acontece em virtude da afinidade de pensamentos, sentimentos, energias. É exatamente por isso que muitas vezes você se sente mal ao chegar perto de determinada pessoa, você acaba doando suas energias inconscientemente.

Vejamos alguns casos comuns e ataque psíquico que resulta em uma drenagem de energias:

Drenagem oral

Neste caso a pessoa fala em excesso, está sempre reclamando de algo, falando de seus problemas ou tentando te convencer do seu ponto de vista a todo custo. Já reparou o quanto você sai cansado de uma conversa assim? Suas energias são sugadas…

Também podemos citar casos em que a pessoa nos agride ou nos ofendem através das palavras. A energia densa que a pessoa emanou vem de encontro contigo, e se você não estiver protegido acabará por absorver essa energia, que vai consumir parte de sua energia vital. Se você revidar, estará desperdiçando suas energias e naturalmente vai se sentir mal, cansado, sugado.

Drenagem presencial

Quantas vezes você chegou em um lugar e começou a se sentir mal? Sentiu algo estranho no ar? Você acaba de ser atingido pela egrégora do ambiente. Se você não estiver protegido, será sugado.

Vale ressaltar que esses ataques nem sempre são propositais, ou seja, não vai sair culpando a tudo de a todos por você estar sem energias. A culpa é todinha sua! Você que deve aprender a não entrar nessa ‘onda’ dos ataques psíquicos. Em outras palavras, você deve aprender a se defender, não atacando, mas apenas se esquivando, ou seja, elevando sua vibração.

Como se defender?

Uma das técnicas mais eficazes de proteção psíquica é a meditação associada à visualizações de campos de energia de proteção ao seu redor além de técnicas básicas como as que seguem abaixo. Pratique essas técnicas diariamente junto com seus exercícios meditativos.

Exteriorização

É através da vontade que o praticante lança para fora de si as energias pessoais temporariamente guardadas dentro dos seus veículos de manifestação. Após praticar a exteriorização é fundamental praticar a Absorção. Veja a técnica:

– Sente-se confortavelmente em um lugar silencioso e relaxe seu corpo;
– Inspire e expire o ar lentamente pelo seu nariz pelo menos 7 vezes;
– Imagine durante  pelo menos 5 minutos uma energia densa (como uma fumaça escura) saindo de todo o seu corpo e sendo lançada para fora do local que você está;

Pratique todos os dias. Após a prática, faça a técnica de absorção.

Absorção
É o ato através do qual a pessoa absorve pela força da vontade energias cósmicas, energias da natureza (florestas, rios, oceanos, árvores, pedras, montanhas, flores). Outra forma de absorver energias é através da respiração (pranayama), os yogues possuem técnicas que valem a pena ser estudadas. Podemos absorver a energia telúrica através do simples ato de caminhar descalços sobre o solo de um parque, floresta, praia, etc.

Em casa você pode praticar a seguinte técnica:

– Sente-se confortavelmente em um lugar silencioso e relaxe seu corpo;
– Inspire e expire o ar lentamente pelo seu nariz pelo menos 7 vezes;
– Imagine-se em um lugar que você goste da natureza (uma praia, cachoeira, floresta);
– Imagine durante pelo menos 5 minutos que uma luz (branca, azul ou dourada) sai do céu, das árvores, da cachoeira ou do mar, e entra pelo topo de sua cabeça descendo até os seus pés. A medida que essa energia entra no seu corpo ela vai purificando cada membro, cada órgão, cada chakra e você sente uma paz e uma leveza incrível.

A reposição de energias é responsável em muitos casos pela recuperação da saúde física e mental do praticante. Pratique todos os dias.

Circuito Fechado

Trata-se de controlar conscientemente o fluxo e a direção das energias dentro de você mesmo, da cabeça para os pés, passando pelo pescoço, tórax, braços, mãos, abdômen, quadril, pernas, pés e vice-versa. A velocidade, duração e intensidade devem variar de acordo com a vontade do praticante.

– Sente-se confortavelmente em um lugar silencioso e relaxe seu corpo;
– Inspire e expire o ar lentamente pelo seu nariz pelo menos 7 vezes;
– Imagine uma bola de luz branca no topo de sua cabeça, concentre-se nessa bola por alguns instantes. Imagine essa luz entrando pelo topo de sua cabeça e descendo lentamente pelo seu corpo passando por todos os membros até os seus pés. Depois, direcione o fluxo de energias no sentido inverso, dos pés a cabeça. Aumente gradativamente a velocidade de circulação das energias.

Concluindo, essas práticas vão fazer você ficar com uma aura menos vulnerável a energias externas. O circuito fechado é o recurso defensivo primário, insubstituível que dispomos para defesa energética.

http://www.segredooculto.com/


26 de fev de 2015

"NÃO ESTAMOS SÓS, NEM NO UNIVERSO E NEM AQUI NA TERRA"

Nenhum comentário:
“ATRAVÉS DE ENGENHARIA GENÉTICA MUITOS DE NÓS NO PLANETA TERRA TEMOS PARTE DO DNA DE EXTRATERRESTRES”



EXISTEM TRÊS ORIGENS SUGERIDAS PARA A INTERVENÇÃO ANUNNAKI REPTILIANA, GREY, HOMINÍDEOS E OS NEANDERTHAIS RESULTANDO O HOMO SAPIENS NOS AFAZERES HUMANOS: ELES SÃO SÓ EXTRATERRESTRES; ELES SÃO ‘INTRA’ TERRESTRES QUE VIVEM DENTRO DA TERRA; ELES MANIPULAM A HUMANIDADE DE UMA OUTRA DIMENSÃO PELA ‘POSSESSÃO’ DOS CORPOS HUMANOS. SEGUNDO DAVID ICKE, REPTILIANOS SÃO SERES EXTRATERRESTRES QUE PLANEJAM DOMINAR O MUNDO, UTILIZANDO-SE DE FREQUÊNCIAS SONARES DISTINTAS DE NOSSA REALIDADE, APRISIONANDO-NOS EM NÓS MESMOS, IMPEDINDO-NOS DE NOS MANTER CONECTADOS À REALIDADE. FRAGMENTAM NOSSAS MENTES, REPROGRAMANDO OS FRAGMENTOS, UTILIZANDO OS ILLUMINATI, SEITA DE SERES HUMANOS, PARA ATIVAR, ATRAVÉS DE DIVERSOS CANAIS, COM A MÍDIA, SONS, ORAÇÕES, ETC., OS PROGRAMAS MENTAIS DO FRAGMENTO QUE DESEJAREM, A FIM DE LEVAREM A CABO UMA AGENDA MUNDIAL. EU PENSO QUE TODAS ELAS SÃO VERDADEIRAS. OS EXTRATERRESTRES HABITAM ENTRE NÓS DESDE OS PRIMÓRDIOS DA HUMANIDADE. (OS INVASORES HABITAM AS CAVERNAS MILENARES).



COMO CHEGARAM NÃO SABEMOS. MAS, ESTÃO ENTRE NÓS E SEUS LÍDERES HABITAM NOS SUB-SOLOS TERRESTRES. POR TER HAVIDO VISUALIZAÇÕES MINHAS E CONTATOS TELEPÁTICOS COM ALGUMAS "ENTIDADES EXTRATERRESTRES" DEVO E POSSO AFIRMAR QUE É INEVITÁVEL NOS DEFRONTARMOS COM TAIS CRIATURAS UM DIA DESSES. 
MUITOS ADAPTADOS GENETICAMENTE VIVEM EM NOSSO MEIO SEM DESPERTAR SUSPEITAS DE QUE SEJA UMA NOVA FORMA DE VIDA HUMANA.



ALGUNS ATÉ SABEM DE SUAS PRÓPRIAS CONDIÇÕES. MAS, SE CALAM PARA SEREM CONFUNDIDOS COM O DEMENTES.
MUITOS TRAZEM SUPER PODERES MENTAIS E SÃO VERDADEIROS GÊNIOS ENTRE OS HUMANOS.
OUTROS SÃO TERRÍVEIS PREDADORES QUE DESEJAM DOMINAR E OSTROS VERDADEIROS ASSASSINOS PERVERSOS. EXTRATERRESTRES: PESQUISADORES DO FENÔMENO REPTILIANO CONCLUEM QUE PELO MENOS ALGUNS SE ORIGINAM NA CONSTELAÇÃO ESTRELAR DE DRAGO. OS SISTEMAS DRAGAM INCLUI A ESTRELA THURBAN, ANTIGAMENTE CHAMADA DE ESTRELA DO NORTE, PELA QUAL AS PIRÂMIDES EGÍPCIAS ESTÃO ORIENTADAS. DE ACORDO COM A PESQUISA DO AUTOR GRAHAM HANCOCK, O ANTIGO COMPLEXO DE TEMPLOS EM ANGKOR WAT NO CAMBOJA É UMA RÉPLICA DA CONSTELAÇÃO DE DRACO COMO ELA ERA EM 10.500 AC. ESTA É A ÉPOCA QUANDO A TERRA E SEU POVO, HUMANOS E EXTRATERRESTRES, ESTARIAM SE RECUPERANDO DO CATACLISMO DE 11.000 AC E, RECONSTRUINDO SUAS CIVILIZAÇÕES. O AUTOR E PESQUISADOR, ROBERT BAUVAL, DIZ QUE AS PIRÂMIDES EM GIZÉ ALINHAM-SE COM AS ESTRELAS DO ‘CINTURÃO’ DE ORION DA MESMA FORMA COMO ELAS ESTIVERAM EM 10.500 AC, QUANDO ORION ESTAVA NO PONTO MAIS BAIXO DO SEU CICLO, OS SERES DE ORION SÃO OUTRA RAÇA EXTRATERRESTRE QUE OPERA NESTE PLANETA, EU ENTENDO.



E HANCOCK E OUTROS PESQUISADORES SUGEREM QUE A ESFINGE EM FORMA DE LEÃO EM GIZÉ, QUE SE ACREDITA SER MUITO MAIS VELHA QUE A DATA ORIGINAL, ESTARIA COM A FACE VOLTADA DIRETAMENTE PARA A CONSTELAÇÃO DE LEO, DO LEÃO, NESTA MESMA ÉPOCA, 10.500 AC. 

25 de fev de 2015

Extraterrestres entre nós II

Nenhum comentário:
Extraterrestres entre nós II
Para entender essa questão é preciso entender uma coisa simples. Tudo no universo tem frequência (Hertz). Cada dimensão tem uma frequência atômica própria. Todas as dimensões estão no mesmo lugar no espaço, pois uma onda não interfere com a outra. Você não precisa mover seu rádio de lugar para trocar de estação! Basta trocar a frequência captada. O mesmo com as ondas de televisão e etc.
De uma forma metafórica pode-se falar que as dimensões estão sobrepostas. É assim que se fala em terceira dimensão, quarta, quinta e assim por diante. É só uma forma de explicar. Tudo é uma onda. A matéria ou massa aparece neste universo de acordo com a física atual, por causa do Bóson de Higgs, que é um campo que dá massa à outra onda. Portanto, massa ou matéria é só uma questão de percepção. Como somos feitos de átomos, para os quais o Bóson “deu” massa, achamos que existe alguma coisa sólida. Mas isso é outra história...
Voltemos. Se os astrônomos fizessem seus aparelhos para detectar outras dimensões ou frequências veriam que o universo está lotado de vida. Se a pessoa procura vida em Marte com instrumentos que procuram vida na frequência do planeta Terra não encontrarão a civilização que existe lá. Está em outra dimensão, mas muito próxima da terrestre. Então, achar isso é uma coisa factível com a tecnologia atual terrestre. O porque não fazem explicaremos daqui a pouco.
Entendendo que tudo está no mesmo lugar desaparece o problema da distância interestelares. Que é o impedimento que sempre citam para dizer que ninguém consegue viajar mais que a velocidade da luz e que levariam anos e anos para chegar aqui. Primeiro, não há necessidade de viajar desta forma, pois existem os wormhole, chamados “buraco de minhoca”, que estão por todo o universo. Através destes portais é possível percorrer distâncias gigantescas em minutos.
Vejamos uma forma didática para explicar isso. Pense no universo como uma bola. Dentro desta bola existem outras bolas. Como boneca russa dentro de outra boneca dentro de outra boneca... No nível mais profundo da bola existe uma outra bola, a Terra. A Terra está numa dimensão ou frequência. Em volta da Terra existe uma outra bola em outra frequência, mas ela não percebida porque está em outra frequência. Isso é o que se chama outra dimensão. Existe o mesmo planeta só que em outra dimensão. Com seus habitantes e tudo o mais. Em seguida existe outra bola em volta da segunda bola. É outra frequência com seus habitantes e tudo o mais. Igualzinho na Terra. Guardadas as devidas proporções. É como se fosse um universo paralelo. E por ai vai. Uma bola “encobrindo” a outra. Com n bolas dentro do universo. No caso terrestre ainda temos uma variáveis. Dentro da bola terrestre também existem outras dimensões. Infinitas possibilidades.
Segundo, é possível passar de uma dimensão para outra sem problema algum. Basta ter conhecimento para isso. Passar de uma dimensão para outra é apenas trocar a frequência. Como girar o dial do rádio. Nos rádios que tem botão para girar. A ciência terrestre tem mais ou menos 400 anos. O tempo da revolução industrial. Agora imagine uma civilização com 1 milhão de anos começando como estamos agora. E pense se essa civilização não tivesse nenhum paradigma restritivo que impedisse a pesquisa pura. Em que estágio tecnológico estaria essa civilização? Pense na tecnologia atual com 1 milhão de anos à frente. O que é impossível hoje ou que parece magia seria pura tecnologia para eles. Como já se disse: “toda tecnologia avançada parece magia”.
Qualquer pessoa pode comprovar o que está escrito aqui se fizer o que se chama “viagem astral” ou desdobramento. Pode ver com os próprios olhos e sentir na pele.
Um exemplo disto colocado como ficção científica são as várias séries Star Trek e Star Wars. E a física que aparece ali é uma continuação da atual. Não existem visitas às outras dimensões, tanto as superiores como inferiores. Seres de Luz ou seres das trevas. Isso não aparece, mas está implícito em muitos episódios.
Tanto é possível mudar a frequência pessoal como a de uma nave. É pura tecnologia. Essa nave pode então passar de uma dimensão à outra e o problema da distância está resolvido. Toda essa tecnologia já está disponível para ser testada, mas se os humanos nem aceitam a Mecânica Quântica, o que dizer de outras dimensões...
Atualmente existem dezenas de raças extraterrestres ajudando os humanos e uma ou duas que tem agenda com os seus próprios interesses particulares. Estas só fazem negócios.
As raças extraterrestres benevolentes, que ajudam os humanos, não podem aparecer publicamente por causa da camisa de força que a humanidade colocou em si mesma. A humanidade engessou a própria visão de mundo e a situação prática da vida humana. E este é um problema muito complicado de resolver.
O que aconteceria se naves aparecessem do nada na maioria das grandes cidades terrestres?
Como a humanidade reagiria?
Existe solução para todos os problemas práticos da vida. Alimentação, saúde, etc. Todas as necessidades poderiam ser resolvidas num instante. As pessoas passariam a ter como interesse o crescimento pessoal espiritual. Isso é o que existe nos planetas avançados espiritualmente. Também existem planetas avançados apenas tecnologicamente. Como a Terra no momento, mas sem evolução espiritual, mas com milhões de anos de tecnologia. E também planetas inteiros tomados por uma visão de mundo como a da Idade Média na Terra.
Todos sabem que na Terra tudo é movido pela visão econômica e financeira. Tudo depende dos negócios. É como expandir o que foi falado: “o negócio da Terra são os negócios”. Nada que afete isso pode ser feito ou é admitido. Como dizem os ferengis: wall street é a terra sagrada. Com uma civilização organizada desta forma é impossível mudar o status quo. Pois a manutenção do status quo é o que os humanos mais querem. Pode-se chamar também de zona de conforto.
Em 1957 existia uma empresa que era líder mundial na produção de válvulas para rádio e televisão. Em 1958 apareceu o transistor e a empresa desapareceu. Neste caso a empresa desapareceu porque os interesses na nova tecnologia eram mais importantes do que manter a empresa de válvula. Mas, esse é um caso praticamente raro.
Suponhamos que os extraterrestres divulgassem uma nova tecnologia que tornasse obsoleta uma determinada tecnologia terrestre. Essa nova tecnologia iria beneficiar bilhões de pessoas, mas afetaria os negócios das empresas que dominam o mercado hoje. Suas ações em bolsa não valeriam mais nada e seus acionistas perderiam todo o patrimônio. Como a humanidade reagiria? Isso seria aceito? Seria possível divulgar isso? É óbvio que não. Normalmente o avanço é consequência da decadência de uma civilização e aparecimento de outra. Seja por que causa for. Normalmente através da guerra. É por isso que falam que a guerra promove a tecnologia. Vejam quantos inventos foram feitos durante a Segunda Guerra Mundial. Ou puderam vir à tona. Numa emergência o status quo muda de visão de mundo.
Portanto, temos um problema. Como a humanidade poderá evoluir da forma que está hoje? Totalmente engessada na visão de mundo econômica financeira. Por quanto tempo é viável continuar do jeito que está hoje? E logo teremos 9 ou 10 bilhões de humanos vivendo e consumindo. Hoje já estamos consumindo mais do que um planeta. Mantendo a atual taxa precisaremos de vários planetas (recursos) para continuar assim por mais 100 anos. E só temos um planeta à disposição.
Os extraterrestres podem resolver tudo isso num piscar de olhos. Mas, a humanidade deixa? Antes que uma civilização alcance um determinado nível eles não podem interferir. Esse nível é a aceitação da Mecânica Quântica. Sem isso como eles seriam recebidos?
Notem que a maioria dos humanos não podem nem ouvir falar em outras dimensões da realidade sem surtar ou atacar quem está falando. E aceitar outras dimensões é uma coisa absolutamente indispensável. Se quisermos evoluir e termos contato com eles. São nossos irmãos das estrelas, mas eles respeitam o nosso livre arbítrio. E sabem que sem mudarmos nossa visão de mundo é inviável qualquer contato aberto.

O que o AMOR não é...

Nenhum comentário:
O que o amor não é
Se você descobre que o jardim que cultivou tão cuidadosamente produziu apenas ervas venenosas, tem que arrancá-las pela raiz, tem que derrubar as paredes que as abrigaram. Você pode fazê-lo, ou não, pois você tem extensos jardins, bem cercados e bem guardados.
Você fará só isso quando não houver barganha, possibilidade de lucro, mas isso deve ser feito, pois morrer rico, com a mente carregada de valores, é ter vivido em vão. Pois nisso tudo, deve ter a cham
a que limpa a mente e o coração, tornando todas as coisas novas. Essa chama não é da mente, não é coisa para ser cultivada.
A demonstração de benevolência pode fazer brilhar socialmente, mas não é a chama, a atividade chamada serviço, embora benéfica e necessária, não é amor, a tolerância praticada e disciplinada, a compaixão cultivada da igreja e do templo, o discurso moderado, as maneiras suaves, a adoração do salvador, da imagem, do ideal – nada disto é amor.


Commentaries on Living Series I Chapter 59 How am I to Love?
http://jkrishnamurti.org/…/kr…/view-daily-quote/20120303.php

24 de fev de 2015

Extraterrestres e Dinossauros - Ancient Aliens Epi. 10 - 4ª Temporada

Nenhum comentário:

"Esculturas antigas, mostrando dinossauros com humanos...
Pegadas fossilizadas de dinossauros e homens descobertas lado a lado...
e altos níveis de radiação encontrados nos ossos de um Tiranossauro Rex...
Será que os dinossauros foram vítimas de uma colisão cósmica? Ou foram deliberadamente dizimados?"



"Milhões de pessoas ao redor do mundo acreditam que fomos visitados no passado por seres EXTRATERRESTRES.
E se for verdade?
Será que realmente ALIENS antigos ajudaram a moldar a nossa história?
E, se sim, revelará a ciência a ligação entre alienígenas e dinossauros?"
http://odespertardoser.blogs.sapo.pt/






Conspiração Leonardo Da Vinci - Ancient Aliens Epi. 8 - 4ª Temporada

Nenhum comentário:

"Invenções surpreendentes, séculos à frente do seu tempo...
...Dizem que as pinturas têm mensagens escondidas....
E os robots sofisticados projetados há mais de cinco séculos...
...Leonardo da Vinci é considerado uma das mentes mais brilhantes que o mundo já conheceu. Mas qual foi a fonte do seu profundo intelecto?
...Ele estave absolutamento imerso em descobrir, talvez até provar, que não estamos sozinhos..."

"Milhões de pessoas ao redor do mundo acreditam que fomos visitados no passado por seres EXTRATERRESTRES.
E se for verdade?
Será que realmente ALIENS antigos ajudaram a moldar a nossa história?

E, se sim, poderá ter havido uma conexão EXTRATERRESTRE secreta com Leonardo da Vinci e outros artistas do seu tempo?"
http://odespertardoser.blogs.sapo.pt/






Inteligência e verdade

Nenhum comentário:


Definição


Inteligência, no sentido em que aqui emprego a palavra, no sentido que tem etimologicamente e no sentido em que se usava no tempo em que as palavras tinham sentido, não quer dizer a habilidade de resolver problemas, a habilidade matemática, a imaginação visual, a aptidão musical ou qualquer outro tipo de habilidade em especial. Quer dizer, da maneira mais geral e abrangente, a capacidade de apreender a verdade. A inteligência não consiste nem mesmo em pensar. Quando pensamos, mas o nosso pensamento não capta propriamente o que é verdade naquilo que pensa, então o que está em ação nesse pensar não é propriamente a inteligência, no rigor do termo, mas apenas o desejo frustrado de inteligir ou mesmo o puro automatismo de um pensar ininteligente. O pensar e o inteligir são atividades completamente distintas. A prova disto é que muitas vezes você pensa, pensa, e não intelige nada, e outras vezes intelige sem ter pensado, numa súbita fulguração intuitiva.

A inteligência é um órgão — digamos assim: um órgão — que só serve para isto: captar a verdade. Às vezes ela entra em operação através do pensamento, às vezes através da imaginação ou do sentimento, e às vezes entra diretamente, num ato intelectivo — ou intuitivo — instantâneo, no qual você capta alguma coisa sem uma preparação e sem uma forma representativa em especial que sirva de canal à intelecção. Outras vezes há uma longa preparação através do pensamento, da imaginação e da memória, e no fim você não capta coisíssima nenhuma: cumpridos os atos representativos, a intelecção a que se dirigiam falha por completo; dados os meios, a finalidade não se realiza. A inteligência está na realização da finalidade, e não na natureza dos meios empregados. E se a finalidade dos meios de conhecimento é conhecer, e se o conhecimento só é conhecimento em sentido pleno se conhece a verdade, então a definição de inteligência é: a potência de conhecer a verdade por qualquer meio que seja.

O conceito da verdade, e as discussões todas que suscita, podem ficar para outra ocasião. Por enquanto, e tomando provisoriamente a palavra "verdade" em seu sentido vulgar de coincidência entre fato e idéia, bastam estas distinções elementares para nos levarem a perceber o quanto é errônea a direção tomada pela atual teoria das "inteligências múltiplas", que dissolve a noção mesma de inteligência numa coleção de habilidades — que vão desde o raciocínio matemático até a destreza física e o traquejo social —, sem notar que todas estas capacidades e outras quantas similares são meios e que a inteligência não é um meio, mas o ato mesmo, o resultado a que tendem esses meios e para o qual nenhum deles é por si — nem a soma deles todos é por si — condição suficiente. A teoria das inteligências múltiplas surgiu como uma reação contra a teoria do QI, que por sua vez identificava a inteligência, exclusivamente, com a habilidade verbal, matemática e imaginativo-espacial. Mas é um caso típico de substituição de uma falsidade por outra. Sejam poucas ou muitas as habilidades com que se identifica a inteligência, o erro é o mesmo: confundir a inteligência com os instrumentos de que se serve.

Essa confusão acontece porque a maior parte das pessoas se conhece muito mal, mesmo nas coisas práticas e nos aspectos mais óbvios da vida. Quanto maior não seria sua dificuldade de captar a diferença sutil entre os atos representativos e a inteligência! Vendo sempre a inteligência atuar através do pensamento, da memória, da imaginação, do sentimento, confundem portanto o canal com aquilo que por ele passa, o veículo com o passageiro, e tomam por "inteligência" os meros atos mentais.

Esse equívoco acabou por ser oficializado e legitimado pela educação. De modo geral, todas as formas de ensino visam a incrementar as habilidades em que a inteligência se apóia, como a memória, a imaginação, o raciocínio etc., e não dão a menor importância a inteligência enquanto tal. O fato é que a entrada em cena dessas outras faculdades não acarreta necessariamente a da inteligência. Podemos desenvolver bastante o raciocínio verbal, ou a imaginação visual, ou a memória, ou a aptidão artística, sem que haja efetivamente uma inteligência dirigindo os seus passos — a prova é que várias dessas aptidões são mais desenvolvidas em certos retardados mentais do que no comum das pessoas. Aliás, se é através do raciocínio que às vezes inteligimos, também é através dele que nos enganamos. Do mesmo modo, às vezes a imaginação nos leva à compreensão real de alguma coisa, mas às vezes nos leva para longe da verdade. O desenvolvimento destas faculdades, imaginação, memória, raciocínio etc., não implica portanto necessariamente o da inteligência; também é verdade o vice-versa: que a inteligência é independente desses outros processos, que lhe servem de canais, instrumentos e ocasiões e nada mais. Mas o vice-versa não deve ser tomado em sentido rigoroso, pois uma inteligência resolutamente decidida a descobrir a verdade sobre alguma coisa acaba em geral encontrando os canais mentais pelos quais chegar ao seu objetivo, ou seja, ela desenvolve as "faculdades" de que necessita. Sem excluir portanto que haja casos de inteligências mesmo superiores mas carentes de meios ou canais específicos de atuação, digo que são exceções e raridades que antes confirmam a regra: o desenvolvimento dos meios não implica o da inteligência, o da inteligência leva quase que necessariamente à conquista dos meios.

Se definimos a inteligência como a capacidade humana de captar o que é verdade, também entendemos que o essencial do ser humano, aquilo que o diferencia dos animais, não é o pensamento, não é a razão, nem uma imaginação ou memória excepcionalmente desenvolvidas, embora tudo isto haja efetivamente no ser humano. Pois pensar, um macaco também pensa: ele completa um silogismo e até encadeia silogismos num raciocínio relativamente perfeito. Imaginação, até um gato possui: os gatos sonham. Por este caminho não encontraremos a diferença específica humana, aquilo que nos torna homens em vez de bichos. E, se é importante arraigar o homem no reino animal, para não fazer dele um ser angélico sem pés no solo, também é importante saber distingui-lo de uma tartaruga ou de um molusco por alguma diferença que não seja meramente quantitativa e acidental.

O que nos torna humanos é o fato de que tudo aquilo que imaginamos, raciocinamos, recordamos, somos capazes de vê-lo como um conjunto e, com relação a este conjunto, podemos dizer um sim ou um não, podemos dizer: "É verdadeiro", ou: "É falso". Somos capazes de julgar a veracidade ou falsidade de tudo aquilo que a nossa própria mente vai conhecendo ou produzindo, e isto não há animal que possa fazer.

Mas, dirá o velho Pilatos em nós, quid est Veritas? Cada um de nós é um juiz romano, corrompido até a medula, a fazer de conta que não sabe aquilo que sabe perfeitamente bem. A verdade da qual alegas nada saber, infausto Pôncio, a verdade é o quid — esse mesmo quid que, se desconhecesses, não poderias usar como medida de aferição para o termo "verdade". Se pergunto quê é alguma coisa, se ignoro mesmo o que é alguma coisa, é porque a coisa que se me oferece nesse instante não cumpre, não atende perfeitamente a condição exigida na palavra quê — aquela consistência, aquela coesão do estar, do agir e do padecer, aquela patência e sobretudo aquela fatalidade, aquele não-ser-de-outro-modo, aquela impositiva ausência de perguntas — e da capacidade de fazer perguntas — que me sobrevém quando sei o quê. Ecce veritas. É o que basta por enquanto, sem prejuízo de posteriores discussões e aprofundamentos. 

2. Não existe inteligência artificial

Hoje em dia, quando se fala de "inteligência artificial", mais certo seria dizer pensamento artificial, ou talvez imaginação artificial, porque uma determinada sequência de pensamentos, um conjunto de operações da mente, pode ser imitado de várias maneiras. Um conjunto é imitado, por exemplo, na escrita. A escrita é uma imitação gráfica de sons, que por sua vez imitam idéias, que por sua vez imitam formas, funções e relações de coisas. A escrita foi a primeira forma de pensamento artificial. Toda e qualquer forma de registro que o homem use já é um tipo de pensamento artificial, uma vez que implica um código de conversões e permutações, e neste sentido um programa de computador não é muito diferente, por exemplo, de uma regra de jogo: como no jogo de xadrez, onde se concebe uma sequência de operações com muitas alternativas, cristalizadas num determinado esquema que pode ser imitado, repetido ou variado segundo um algoritmo básico. Existem muitas formas de pensamento artificial, ou de imaginação artificial. Porém a inteligência, propriamente dita, não tem como ser artificial. O pensamento artificial é essencialmente uma imitação de atos de pensamento segundo a fórmula das suas sequências e combinações. Do mesmo modo podemos imitar a imaginação e a memória, se em vez de utilizar uma correspondência biunívoca entre signo e significado recorrermos a uma rede de correspondências analógicas. Dá na mesma: em ambos os casos, trata-se de imitar um algoritmo, a fórmula de uma sequência ou rede de combinações, que por sua vez imitam as operações reais da mente. Acontece que a inteligência não é uma "operação da mente"; ela é o nome que damos a uma determinada qualidade do resultado dessas operações, pouco importando qual a faculdade que as realizou ou qual o código empregado. É legítimo dizer que um indivíduo inteligiu alguma coisa somente quando ele captou a verdade dessa coisa, seja pelo raciocínio, seja pela imaginação ou seja lá pelo caminho que for. Até mesmo o sentimento intelige, quando ama o que é verdadeiramente amável e odeia o que é verdadeiramente odioso: há uma inteligência do sentimento, como há uma burrice do sentimento. A inteligência não reside na mente, mas num certo tipo de relação entre o ato mental e o seu objeto, relação que denominamos "veracidade" do conteúdo desse ato mental ( notem bem: veracidade do conteúdo, e não do ato mesmo ).

Criança fica com buraco na língua após consumir pirulito ácido

Nenhum comentário:
Depois da denúncia, várias reclamações semelhantes, de crianças que sofreram danos após experimentarem o pirulito, foram relatadas por meio das redes sociais

Um garoto australiano de sete anos sofreu queimadura na língua depois de experimentar um pirulito, Ogivas Juniors Extrema Sour, que prometia um gosto azedo.

A mãe do menino, assustada, divulgou através do Twitter o dano que o doce causou na boca do seu filho, que ficou com um buraco na língua. O caso ocorreu na semana passada.

O pirulito é comercializado pela empresa americana Impact Confections e contém ácido málico. O produto promete um sabor amargo intenso e é recomendado para crianças a partir dos quatro anos de idade.

Na embalagem da guloseima vem ainda um aviso de que o consumo de vários pedaços em um curto espaço de tempo pode causar irritação temporária em línguas e bocas sensíveis.

De acordo com a postagem da mãe, o que aconteceu com o garoto de sete anos, no entanto, foi mais do que uma irritação.

Depois da denúncia, várias reclamações semelhantes, de crianças que sofreram danos após experimentarem o pirulito, foram relatadas por meio das redes sociais.

Mas, apesar da possibilidade de lesões, é possível encontrar vídeos na internet com crianças promovendo desafios de quantos pirulitos conseguem consumir em um curto intervalo de tempo.

Redação O POVO Online
http://www.opovo.com.br/

23 de fev de 2015

Libvro: NÓS SOMOS OS NIBIRUANOS Parte 6 - Anu em: O Grande Plano Divino

Nenhum comentário:
Livro: NÓS SOMOS OS NIBIRUANOS
Parte 6 - Anu em: O Grande Plano Divino
REPTILIANOS – Os verdadeiros “donos” Terra
Os Répteis são conhecidos por muitos como os Reptilianos. Eles foram criados muito tempo antes dos Humanos, no planeta de Aln, na constelação de Órion.
Os Répteis foram criados primeiro e isto os tornou tecnologicamente superiores. Eles já tinham realizado viagens espaciais quando nós, os Humanos, ainda emergíamos dos oceanos em Vega.

Os Répteis, também conhecidos como as Serpentes, os Dragões, e os Lagartos (afetuosamente chamado por alguns, de Lizzies), possuem vários tipos, cores e tamanhos. Eles normalmente são verdes, marrons, bronze, negros ou uma combinação de qualquer uma destas cores. Seus olhos são verdes ou vermelhos. A pele é escamosa ou lisa e fria ao toque. Eles possuem as sensações dos cinco sentidos, mas não todas as emoções.
A morada base dos Répteis é a constelação de Órion e seu vizinho Sigma Draconi, onde o povo Dragão vive. Os Répteis colonizaram muitos planetas e sistemas estelares em nossa galáxia. A eles foi conferido o “mito da criação” que declarava que eles eram os “donos da galáxia” e tinham o
direito de colonizar qualquer planeta ou estrela que desejassem. E se houvesse uma raça não-réptil presente, eles poderiam e deveriam destruí-la.
Agora você pode imaginar como as outras raças se sentiam! Este “mito da criação” causou a morte e destruição de muitos planetas e povos em ambos os lados. Mas, deixem-me relembrá-los: os répteis foram criados por ordem dos Construtores para representar o masculino, ou lado escuro, e os Humanos foram criados para representar o feminino, ou lado luminoso, neste “Jogo de Integração das Polaridades”.
Assim, por favor, não os julgue, porque eles estão apenas desempenhando seus papéis.
Os Répteis colonizaram a Terra mais de uma vez. Eles a colonizaram inicialmente quando ela ainda era Tiamat, e então novamente, depois que Tiamat rachou ao meio e se tornou conhecido como Terra. Mas, a segunda vez não foi uma colonização propriamente dita.
Foi, na verdade, a reorganização dos remanescentes dos Répteis que tinham ido para o subterrâneo durante e depois da destruição de Tiamat. As cobras e lagartos dos seus dias atuais são os descendentes dos Répteis. Os dragões também existiam aqui, e seus mitos de dragões voadores não são mitos de forma alguma. Eles eram reais!
Os Répteis são mais avançados tecnologicamente - (masculino, escuro), do que espiritualmente - (feminino, luz). Isto é o que eles estão aprendendo a equilibrar, da mesma maneira que nós os Humanos estamos aprendendo a equilibrar o outro modo.
Continua....

Ergom Abraham 

Ancient Aliens - 3ª Temporada . Episódio 2 - Aliens and Monsters

Nenhum comentário:

Milhões de pessoas no mundo acreditam que fomos visitados no passado por seres EXTRATERRESTRES. E se for verdade? Será que realmente ALIENS antigos ajudaram a moldar a nossa história? E, se sim, poderiam os monstros e bestas das lendas antigas realmente terem sido produtos da intervenção de uma avançada inteligência EXTRATERRESTRE?
'Aliens and Monsters' (Extraterrestres e Monstros), é o 2º episódio da 3ª temporada de Ancient Aliens, uma série televisiva do Canal de História. Alguns dos temas abordados neste episódio são:
A escritura hindu descreve uma enorme criatura voadora chamada Garuda que abalou o chão quando pousou na Terra. É possível que esse monstro fosse na verdade uma nave alienígena mal interpretada?
Serão híbridos, como o Centauro, as criaturas Minotauro e Medusa, apenas míticos de fantasia? Ou poderiam essas representações antigas, de monstros terríveis, terem sido o resultado de avançados procedimentos de transplante, de extraterrestres?
Serão estas criaturas produtos diretos de EXPERIÊNCIAS genéticas EXTRATERRESTRES no nosso passado?


2º "Aliens ans Monsters" - [Ancient Aliens(3ºT... por Ancient-Alien


Monsanto: 25 doenças que podem ser causadas pelo agrotóxico glifosato

Nenhum comentário:

Cientistas descobriram que pessoas doentes tinham maiores níveis de glifosato em seu corpo do que as pessoas sadias. Conheça os resultados destas pesquisas 
reprodução

A Monsanto investiu no herbicida glifosato e o levou ao mercado com o nome comercial de Roundup em 1974, após a proibição do DDT. Mas foi no final dos anos 1990 que o uso do Roundup se massificou graças a uma engenhosa estratégia de marketing da Monsanto. A estratégia? Sementes geneticamente modificadas para cultivos alimentares que podiam tolerar altas doses de Roundup. Com a introdução dessas sementes geneticamente modificadas, os agricultores podiam controlar facilmente as pragas em suas culturas de milho, soja, algodão, colza, beterraba açucareira, alfafa; cultivos que se desenvolviam bem enquanto as pragas em seu redor eram erradicadas pelo Roundup.

Ansiosa por vender seu emblemático herbicida, a Monsanto também incentivou os agricultores a usar o Roundup como agente dessecante, para secar seus cultivos e assim fazer a colheita mais rapidamente. De modo que o Roundup é usado rotineira e diretamente em grande quantidade de cultivos de organismos não modificados geneticamente, incluindo trigo, cevada, aveia, colza, linho, ervilha, lentilha, soja, feijão e beterraba açucareira.

Entre 1996 e 2011, o tão difundido uso de cultivos de Organismos Geneticamente Modificados (OGM) Roundup aumentou o uso de herbicidas nos Estados Unidos em 243 milhões de kg – ainda que a Monsanto tenha assegurado que os cultivos de OGM reduziriam o uso de pesticidas e herbicidas.

A Monsanto falsificou dados sobre a segurança do Roundup e o vendeu para departamentos municipais de parques e jardins e também a consumidores como sendo biodegradável e estando de acordo com o meio ambiente, promovendo seu uso em valetas, parques infantis, campos de golf, pátios de escola, gramados e jardins privados. Um tribunal francês sentenciou que esse marketing equivalia a publicidade enganosa.

Nos quase 20 anos de intensa exposição, os cientistas documentaram as consequências para a saúde do Roundup e do glifosato na nossa comida, na água que bebemos, no ar que respiramos e nos lugares em que nossas crianças brincam.

Descobriram que as pessoas doentes têm maiores níveis de glifosato em seu corpo do que as pessoas sadias.

Também encontraram os seguintes problemas de saúde que eles atribuem à exposição ao Roundup e/ou ao glifosato:

1) TDHA: nas comunidades agrícolas, existe uma forte relação entre a exposição ao Roundup e o Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade, provavelmente devido à capacidade do glifosato de afetar as funções hormonais da tireoide.

2) Alzheimer: no laboratório, o Roundup causa o mesmo estresse oxidativo e morte de células neurais observados no Alzheimer. Isso afeta a CaMKII, uma proteína cuja desregulação também foi associada à doença.

3) Anencefalia (defeito de nascimento): uma pesquisa sobre os defeitos no tubo neural de bebês cujas mães viviam em um raio de mil metros de distância de onde se aplicava o pesticida mostrou uma associação entre o glifosato e a anencefalia; a ausência de uma grande porção do cérebro, do crânio e do pericrânio formado durante o desenvolvimento do embrião.

4) Autismo: o glifosato tem um número de efeitos biológicos alinhados a conhecidas patologias associadas ao autismo. Um desses paralelismos é a disbiose observada em crianças autistas e a toxicidade do glifosato para bactérias benéficas que combatem bactérias patológicas, assim como a alta resistência de bactérias patógenas ao glifosato. Além disso, a capacidade do glifosato de facilitar a acumulação de alumínio no cérebro poderia fazer deste a principal causa de autismo nos EUA.

5) Defeitos de nascença: o Roundup e o glifosato podem alterar a vitamina A (ácido retinoico), uma via de comunicação celular crucial para o desenvolvimento normal do feto. Os bebês cujas mães viviam em um rádio de 1 km em relação a campos com glifosato tiveram mais que o dobro de possibilidade de ter defeitos de nascença segundo um estudo paraguaio. Os defeitos congênitos se quadruplicaram na década seguinte a que os cultivos com Roundup chegaram ao Chaco, uma província da Argentina na qual o glifosato é utilizado entre 8 e 10 vezes mais por acre do que nos EUA. Um estudo em uma família agricultora nos EUA documentou elevados níveis de glifosato e defeitos de nascença em crianças, tais como ânus não perfurados, deficiências no crescimento hormonal, hipospádias (relacionada à normalidade da abertura urinária), defeitos no coração e micropênis.

6) Câncer cerebral: em um estudo comparativo entre crianças sadias e crianças com câncer cerebral, os pesquisadores detectaram que, se um dos pais estivera exposto ao Roundup dois anos antes do nascimento da criança, as possibilidades de ela desenvolver câncer no cérebro dobravam.

7) Câncer de mama: o glifosato induz o crescimento de células cancerígenas no peito por meio de receptores estrógenos. O único estudo em animais a longo prazo de exposição ao glifosato produziu ratas com tumores mamários e reduziu a expectativa de vida.

8) Câncer: pesquisas de porta em porta com 65 mil pessoas em comunidades agrárias da Argentina nas quais o Roundup foi utilizado – conhecidas como cidades fumigadas – mostraram médias de câncer entre duas e quatro vezes maiores do que a média nacional, com altos índices de câncer de mama, próstata e pulmão. Em uma comparação entre dois povos, naquele em que o Roundup fora aplicado, 31% dos moradores tinham algum familiar com câncer, ao passo que só 3% o tinham em um povoado sem Roundup. As médias mais elevadas de câncer entre as pessoas expostas ao Roundup provavelmente surgem da reconhecida capacidade do glifosato de induzir danos ao DNA, algo que foi demonstrado em inúmeras pesquisas de laboratório.

9) Intolerância ao glúten e doença celíaca: peixes expostos ao glifosato desenvolveram problemas digestivos que são reminiscentes da doença celíaca. Existem relações entre as características da doença celíaca e os conhecidos efeitos do glifosato. Isso inclui desajustes nas bactérias das tripas, deslocamento de enzimas implicadas na eliminação de toxinas, deficiências minerais e redução dos aminoácidos.

10) Doença crônica nos rins: os aumentos no uso do glifosato poderiam explicar as recentes ocorrências de falências renais entre os agricultores da América Central, do Sri Lanka e da Índia. Os cientistas concluíram que, “embora o glifosato por si só não provoque uma epidemia de doença renal crônica, parece que ele adquiriu a capacidade de destruir os tecidos renais de milhares de agricultores quando forma complexos com água calcária e metais nefrotóxicos”.

11) Colite: a toxidade do glifosato sobre bactérias benéficas que eliminam a clostridia, assim como a alta resistência da clostridia ao glifosato, poderia ser um fator significativo na predisposição ao sobrecrescimento da clostridia. O sobrecrescimento da clostridia, especialmente da colite pseudomembranosa, foi comprovado como causa da colite.

12) Depressão: o glifosato altera os processos químicos que influem na produção da serotonina, um importante neurotransmissor que regula o ânimo, o apetite e o sono. O desajuste da serotonina é vinculado à depressão.

13) Diabetes: Os níveis baixos de testosterona são um fator de risco para o tipo 2 de diabetes. Ratos alimentadas com doses significativas de Roundup em um período de 30 dias, abrangendo o começo da puberdade, tiveram uma redução na produção de testosterona suficiente para alterar a morfologia das células testiculares e o início da puberdade.

14) Doença cardíaca: o glifosato pode alterar as enzimas do corpo, causando disfunção lisossomal, um fator importante nas doenças e falências cardíacas.

15) Hipotireoidismo: uma pesquisa realizada de porta em porta com 65 mil pessoas em comunidades agrícolas na Argentina nas quais se usa o Roundup encontrou médias mais elevadas de hipotireoidismo.

16) Doença inflamatória intestinal: o glifosato pode induzir a deficiência severa do triptófano, que pode levar a uma grave doença inflamatória intestinal que desajusta severamente a capacidade de absorver nutrientes por meio do aparato digestivo devido à inflamação, hemorragias ou diarreia.

17) Doença hepática: doses muito baixas do Roundup podem alterar as funções das células no fígado, segundo um estudo publicado em 2009 na “Toxicology”.

18) Doença de Lou Gehrig: a deficiência de sulfato no cérebro foi associada à Esclerose Lateral Amiotrófica. O glifosato altera a transmissão de sulfato do aparelho digestivo ao fígado, e poderia levar a uma deficiência de sulfato em todos os tecidos, incluindo o cérebro.

19) Esclerose múltipla: encontrou-se uma correlação entre uma incidência aumentada de inflamação de intestino e a Esclerose Múltipla. O glifosato poderia ser um fator causal. A hipótese é que a inflamação intestinal induzida pelo glifosato faz com que bactérias do aparelho digestivo se infiltrem no sistema circulatório, ativando uma reação imune e, como consequência, uma desordem autoimune, resultando na destruição da bainha de mielina.

20) Linfoma Não-Hodgkin: uma revisão sistemática e uma série de meta-análises de quase três décadas de pesquisas epidemiológicas sobre a relação entre o linfoma não-hodgkin e a exposição a pesticidas agrícolas concluiu que o linfoma de célula B tinha uma associação positiva com o glifosato.

21) Doença de Parkinson: os efeitos danosos dos herbicidas sobre o cérebro foram reconhecidos como o principal fator ambiental associado a desordens neurodegenerativas, incluindo a doença de Parkinson. O início de Parkinson após a exposição ao glifosato foi bem documentado, e estudos em laboratório mostram que o glifosato provoca morte celular característica da doença.

22) Problemas na gravidez (infertilidade, morte fetal, aborto espontâneo): o glifosato é tóxico para as células da placenta, o que, segundo os cientistas, explicaria os problemas na gravidez de trabalhadoras agrícolas expostas ao herbicida.

23) Obesidade: uma experiência consistente na transmissão de uma bactéria do aparelho digestivo de um humano obeso para os aparelhos digestivos de ratos provocou obesidade nos ratos. Tendo o glifosato produzido uma mudança nas bactérias do aparelho digestivo de produtores de endotoxinas, a exposição ao glifosato poderia, dessa forma, contribuir com a obesidade.

24) Problemas reprodutivos: estudos de laboratório em animais concluíram que os ratos machos expostos a altos níveis de glifosato, tanto no desenvolvimento pré-natal ou da puberdade, padecem de problemas reprodutivos, incluindo o atraso na puberdade, a baixa produção de esperma e a baixa produção de testosterona.

25) Doenças respiratórias: as mesmas pesquisas com 65 mil pessoas na Argentina descobriram médias mais elevadas de doenças respiratórias crônicas.

Alexis Baden-Mayer é editor do Organic Consumers Fund.

Tradução de Daniella Cambaúva.
Fonte: Carta Maior

Para saber mais:

Glifosato

http://muralvirtual-educaoambiental.blogspot.com.br/